Ars Rhetorica

segunda-feira, 5 agosto 2013

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 4:45 pm

Thinking about Lojban…

Anúncios

Welcome!

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 3:50 pm

It is great to have so many new readers here (thank you Boing Boing, thank you Cory!). Please share your ideas, say what you think, dispute my assumptions. We need it. 🙂

terça-feira, 11 dezembro 2007

Do estilo

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 2:30 am

Árduo seria discordar do Harold Bloom, quanto ao laureado partidário de novas Cortes de Tomar.

Só um crânio, mas velho, com idade entre um milhão e trezentos mil e um milhão e quatrocentos mil anos, E há certeza de que se trata de um homem, quis saber, subtilmente, Joaquim Sassa, ao que Maria Dolores respondeu com um sorriso de entendimento, Quando se encontram vestígios humanos antigos, são sempre de homens, o Homem de Cro-Magnon, o Homem de Neanderthal, o Homem de Steinheim, o Homem de Swanscombe, o Homem de Pequim, o Homem de Heidelberg, o Homem de Java, naquele tempo não havia mulheres, a Eva ainda não tinha sido criada, depois criada ficou, Você é irónica, Não, sou antropóloga de formação e feminista por irritação (José Saramago, A jangada de pedra, 1986)

domingo, 9 dezembro 2007

Qays enlouquecido

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 3:35 pm

Nizami, pela tradução de Colin Turner, pela tradução de Marisson Ricardo Roso, Laila & Majnun (Jorge Zahar Editor, p. 125):

Majnun invocou planeta por planeta, estrela por estrela, mas não recebeu resposta alguma. Os céus permaneceram calados, e a alma de Majnun gelou diante da insensível e fria beleza glacial dos astros. Os corpos celestes seguiram seus caminhos, desinteressados da situação de Majnun, inconscientes de sua aflição. Por que se preocupariam? Por que deveriam se interessar em ajudá-lo?

E então Majnun percebeu. Pela primeira vez tudo ficou claro. As estrelas não se importaram porque elas não poderiam se preocupar. As estrelas, assim como os grãos de areia sob seus pés, eram cegas, surdas e mudas! O espetáculo delas reluzindo era simplesmente um espetáculo. Sob aquela fachada esplêndida, eram apenas criaturas inanimadas, sem voz ou expressão. O que poderia significar o sofrimento de uma alma humana para elas?

E assim Majnun elevou sua face mais uma vez para os céus, mas agora, não para invocar as estrelas. “Elas são meros vassalos como eu”, pensou ele. “E onde há vassalos deve haver um soberano. Se a criação não me responde”, cismou ele, “talvez o Criador responda.”

Não apenas a angústia de buscar o que perco sem o persa original; há também uma vontade, que não quero trair pela investigação, de ver no amigo de Layli um tutor dos amigos de Beatrice e Laura, e em suas corças e antílopes o lobo de Gubbio. O soberano é, afinal, o mesmo e os protagonistas desta fábula se conheceram, não por acaso, em uma escola.

Majnun

sexta-feira, 7 dezembro 2007

Sobre ler livros uma vez somente

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 10:13 pm

(Surrupiado do Laudator Temporis Acti, cuja qualidade e o título horaciano só podem causar inveja)

C.S. Lewis, Of Other Worlds: Essays and Stories (New York: HBJ, 1967), p. 17:

An unliterary man may be defined as one who reads books once only. There is hope for a man who has never read Malory or Boswell or Tristram Shandy or Shakespeare’s Sonnets: but what can you do with a man who says he ‘has read’ them, meaning he has read them once, and thinks that this settles the matter?

Um homem iletrado poderia ser definido como o que lê livros uma vez somente. Há esperança para um homem que nunca tenha lido Malory ou Boswell ou Tristram Shandy ou os sonetos de Shakespeare: mas o que se poderia fazer por quem diz ‘ter lido’ os mesmos, no sentido de que os leu uma vez e crê ter com isto resolvido a questão?

Eis o porquê da Commedia estar sempre à cabeceira.

Das pesquisas – I

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 6:22 pm

A maior diversão em ter uma efeméride destas são as pesquisas que trazem navegadores incautos a este porto. Morosos que querem se poupar tarefas (resumo de “A metamorfose-frank kafka”) e afeitos pelas mais singulares taras (prostitutas a foder nas florestas) aqui ancoram e, julgo, logo alçam suas velas para os ventos do nunca-mais.

Mas alguns que também não aguardo ao fugirem deixam a vontade de uma segunda visita. Como quem, guiado por Cloacina, esta manhã aqui veio buscar a “etimologia de venus”. E sendo a etimologia uma questão de honra…

O português “Vênus”, como se sabe, foi tramandado por seu nome latino Venus. A deusa é a do amor sensual, e foi este quem a batizou: com efeito, venus era “amor, desejo sexual, amabilidade, beleza, charme”, vindo da base proto-indo-européia *wen-, “buscar, ter anseios, desejar, satisfazer-se” (veja-se, em sustentação, o sânscrito vanas-, “desejo”, vanati, “desejos, amores, vitórias”; o avesta vanaiti, “ele deseja, ele é vitorioso”; o inglês arcaico wyscan, “desejar”, relacionado a to wish). Em suma, Vênus tem uma remota raiz comum com “vencer”.

Mas Venus (latino, sem acento) é de interesse também pelo que veio em função dela. Que “venéreo” e “venerar” são derivados a própria intuição o indica, mas curiosa é a etimologia de “veneno”: mais que “substância que altera ou destrói as funções vitais”, como nos dá o Aurélio, o latino venenum era inicialmente uma poção de amor (motivada, exatamente, por Vênus), que algumas experiências de pouco sucesso devem ter prejudicado a reputação.

Nesse sentido, é tão amável quanto a etimologia de “filtro”: a nossa aparelhagem para purificar líquidos tem sua origem no “filtro” como poção ou elixir (significado que ainda encontramos em registros mais altos, como em alguns parnasianos), cuja origem não poderia ser outra. “Filtro” vem do latino philtrum, adaptação do grego Φίλτρον [phíltron] vindo do verbo Φιλέω [philéoo], “sentir amizade, amar”, que encontrarmos, entre outros, na boa e velha “philosophia”, o amor pela sabedoria. O produto terminou por dar nome ao processo de seu preparo.

E não esqueçam do melhor dicionário etimológico on-line (infelizmente, só para o inglês):http://www.etymonline.com.

quinta-feira, 22 novembro 2007

Policarpo Quaresma não lia Álvares de Azevedo

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 2:00 pm

Deliciosa citação que encontrei no “Formação da Literatura Brasileira” de Antônio Cândido, um dos principais tomos das próximas semanas:

Falam nos gemidos da noite no sertão, nas tradições das raças perdidas das florestas, nas torrentes das serranias, como se lá tivessem dormido ao menos uma noite, como se acordassem procurando túmulos, e perguntando como Hamleto no cemitério a cada caveira do deserto o seu passado.

Mentidos! Tudo isso lhes veio à mente lendo as páginas de algum viajante que esqueceu-se talvez de contar que nos mangues e nas águas do Amazonas e do Orenoco há mais mosquitos e sezões do que inspiração: que na floresta há insetos repulsivos, répteis imundos, que a pele furta-cor do tigre não tem o perfume das flores – que tudo isto é sublime nos livros, mas é soberanamente desagradável na realidade. (Manuel Antônio Álvares de Azevedo, Obras)

quinta-feira, 15 novembro 2007

Vênus purificadora

Filed under: Uncategorized — tresoldi @ 3:26 pm

Ao passo que conceituados acadêmicos seguem a sustentar que a mitologia romana era uma tradução da grega, aqui prestamos louvor a uma deusa muito omitida, Cloacina, regente dos esgotos. Antes dos comentários tornarem-se piadas escatológicas, cabe lembrar do mérito dos esgotos romanos para esta civilização da qual somos a descendência.
De provável origem etrusca e mencionada já por Lívio (iii, 48), Cloacina (ou, raro, Cluacina) é uma deusa que gradualmente tornou-se um sobrenome a Vênus e regia os rituais de purificação, por extensão também a Cloaca Maxima; segundo a lenda, durante a construção da mesma uma estátua sua fora descoberta pelos operários etruscos envolvidos. Em uma etimologia digna da tradição que inclui Isidoro e Heidegger, um certo Lactantius fazia-a resalir precisamente ao mais famoso entre os esgotos, desconsiderando a origem sustentada por Plínio, o velho, de que seu nome deriva do verbo “cluere” (“limpar, polir, purificar”) ou “como os antigos diziam purgare“, e do qual, por sinal, o próprio “cloaca” deriva:

Arbor ipsa in Europae citeriore caelo, quod a Cerauniis montibus incipit, primum Cerceis in Elpenoris tumulo visa traditur Graecumque ei nomen remanet, quo peregrinam esse apparet. fuit, ubi nunc Roma est, iam cum conderetur; quippe ita traditur, myrtea verbena Romanos Sabinosque, cum propter raptas virgines dimicare voluissent, depositis armis purgatos in eo loco qui nunc signa Veneris Cluacinae habet; cluere enim antiqui purgare dicebant. (Naturalis Historia, XV, xxxvi – grifo meu)

O Online Etymological Dictionary faz derivar “cluere” do PIE *klu- de mesmo sentido (pela curiosidade, no Isidro Pereira encontrei Κλύζω qual “açoitar com ondas; banhar, lavar, limpar” e nestas horas me falta um bom etimólogo por amigo). A derivação é confirmada pelo mito fundacional de que, após as sabinas raptadas prevenirem o derramamento de sangue entre Rômulo e Tito Tácio, ambos os exercitos teriam se purificado com brotos de mirta onde seria erigido o templo da Vênus Cloacina.

Cloacina Moneta

Já em época republicana e imperial, Cloacina era reverenciada neste pequeno santuário frente à majestosa Basilica Aemilia e diretamente sobre a Cloaca Maxima, aqui recriado a partir da moeda original acima:

Cloacina

A eleição de Cloacina como protetora do bem-comportado e puro sexo matrimonial não passa de um anacronismo que merece apenas esta nota de post-scriptum.

Blog no WordPress.com.